Cartão Postal

Um dia, uma noite, um segundo, um momento,
qual será o tempo?

Abri a porta do espaço
era planeta, vermelho, vivo, chorei
joias em anéis de grandes sistemas
circundavam massas estelares imensas
o retrato tão verídico
me diga que não passou em branco

Esse é o meu cartão postal
o meu relato de palavras
a foto 3×4 vezes tudo o que a integração aguenta

Em palavras lhe digo
“eu estive lá”
mas também estava aqui
faz sentido pra você?

Então vira o cartão,
sente o que é ver isso
viver pra crer, agora vira a frase
a imensidão do nada
é também o vazio do tudo

Que saudade dos que ficaram
dos amigos tão queridos
mesmo a distância de todo o universo
é curta na estrada do sentimento

“Não estacione” li na placa
escreveu de boca cheia, na roupa riscada
sentido em riste, mirou estátua

Trancafiado sob as sete chaves de camadas intensas
tudo está na mais perfeita ordem do caos
e vice versa

Quem não vê o todo, não compreende as partes
parte de mim até entende
até vê, respira e arrepia
até sente, mastiga e copia
Entendo que as partes estão longe de ser inteiras
mas é o que temos para agora
a visão torta que tomamos por verdade verdadeira

Me diz o que é a verdade.
Ponto. Sem mais.
Algo mais?

Daqui não saio
não mudo
não faço
não fumo
não sei
todos os meus nãos pra você.
Pega, leva eles daqui.

Quando as leis universais foram criadas
na encruzilhada da vida, no despertar das almas
que lindo, que lindo
talvez eu tenha visto
quem sabe estado lá,
no início.
Em que estado?
Em qual camada?
Em qual avenida?

A pequenice da minha mesmice
insiste nas visitas e dorme no meu sofá
quando ligo a TV ao menos tenho companhia
das antenas da minha solidão
dos canais que sempre vejo a passar
dos comerciais de margarina que escorregam por entre meus dedos

O que acontece no intervalo do universo?
na interconexão dos pólos?
no compartilhamento do embrião dos planetas?
no corrimão do corredor do meu quarto?

Perguntas respostas
causas efeitos
ação reação
o que nasce um do outro
é o simples complexo
das teorias e mazelas
editadas em planos convexos
do telefone mudo que insiste em me contar

o meu cartão postal tem endereço certo
reside na coordenada dos teus desejos
vai de encontro com a tua busca,
a sede da origem
tua profunda vocação
são letras despidas de todos os olhos
mas são sentimentos vestidos do meu coração.

 

–Lucas Pacheco Ostjen–

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s